Deputado atua em Brasília para sanar problemas dos produtores de cebola

Reivindicações foram entregues ao ministro da Agricultura, Blairo Maggi

Reivindicações foram entregues ao ministro da Agricultura, Blairo Maggi

As divergências políticas históricas entre Rogério Peninha Mendonça (PMDB) e Gervásio Maciel (PP) ficaram em Ituporanga. Na capital federal, essa semana, o deputado e o vice-prefeito se uniram em prol de uma pauta importante, que foi tema de manifestação em pelo menos oito municípios da região: a situação difícil pela qual passam os produtores de cebola. Em Santa Catarina, estado que mais produz a hortaliça, pelo menos 13 mil famílias dependem da cebolicultura para sobreviver. Com custo estimado em R$ 0,70 por quilo, os agricultores estão tendo prejuízo, porque o preço pago ao produtor desde o início da colheita tem girado em torno de R$ 0,50.

Sem previsão de melhora e com os financiamentos quase vencendo, os agricultores solicitaram auxílio do governo para prorrogar suas dívidas pelo prazo de cinco anos.  Peninha e Gervásio fizeram o meio de campo e entregaram nas mãos do ministro da Agricultura, Blairo Maggi, as principais reivindicações do setor. Além de prorrogar a quitação de custeios e investimentos, a classe também cobra aumento dos valores pagos pelo Programa de Garantia de Preços para a Agricultura Familiar (PGPAF). Os agricultores pedem que o teto, hoje fixado em R$ 5 mil, seja elevado para R$ 10 mil.

“Também pedimos a inclusão da cebola entre os 100 produtos que têm proteção tributária. Assim como o alho, que é taxado em 35% na fronteira, queremos que a cebola importada chegue com preço diferenciado ao Brasil”, argumentou Peninha. Diariamente, centenas de contêineres europeus chegam com cebola holandesa e espanhola, subsidiada pelos países de origem, abaixo do preço de custo, e atrapalham o mercado nacional. “Estas cargas têm abastecido as prateleiras dos nossos mercados no ponto alto da colheita em Santa Catarina. A concorrência desleal põe em risco a sobrevivência de milhares de famílias que sobrevivem em pequenas propriedades, e que não têm outra alternativa rentável. Em resumo, se o governo não interferir, a maior parte dos cebolicultores está condenada à falência”, alertou o vice-prefeito. O Secretário Nacional de Política Agrícola, Neri Geller, também acompanhou a audiência com o ministro da Agricultura.

Na tarde desta quinta-feira, dia 09, a dupla ituporanguense esteve na sede do Banco do Brasil. Em reunião com o Gerente Executivo de Relações Institucionais, Fernando Conte Medeiros, Peninha e Gervásio voltaram a explicar a situação dramática dos produtores, ratificaram a necessidade de prorrogar os financiamentos e pediram para que os produtores não sejam declarados inadimplentes, para que dessa forma possam contratar nova operação de crédito na próxima safra. “As análises, que estão sendo feitas caso a caso, têm que ser padronizadas. O que reivindicamos é que todos os financiamentos para a cultura da cebola sejam prorrogados”, resumiu o deputado.