Crise mundial pode beneficiar setor têxtil catarinense

Santa Catarina é protagonista no cenário nacional e emprega mais de 160 mil trabalhadores no ramo

Santa Catarina é protagonista no cenário nacional e emprega mais de 160 mil trabalhadores no ramo

A crise econômica mundial, desencadeada pelo coronavírus, pode beneficiar a indústria têxtil brasileira, que tem como um dos principais concorrentes a China. O coordenador do Fórum Parlamentar Catarinense, deputado federal Rogério Peninha Mendonça (MDB/SC), recebeu o presidente da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit), Fernando Pimentel, para uma conversa sobre o assunto. O encontro aconteceu no gabinete do deputado, em Brasília, nesta terça-feira (10).

Santa Catarina é o segundo maior polo têxtil e de confecção do Brasil, sendo responsável por 18% da produção nacional. Pimentel explica que a curto e médio prazo, a indústria poderá se beneficiar em função da paralisação das fábricas na China: “Há um sentimento positivo nas nossas últimas sondagens junto aos empresários. A demanda melhorou, por conta da substituição da importação”.

O estado catarinense foi o único do Brasil que, ao final de 2019, voltou ao pico de sua produção pré-recessão de 2014. Ou seja, recuperou-se mais rapidamente da crise. “Santa Catarina tem grande relevância na produção nacional com 9 mil empresas do ramo. O maior volume de exportações sai do Vale do Itajaí”, comenta o deputado Peninha.

Reforma tributária irá impulsionar o setor

A indústria de transformação é uma das mais afetadas pela alta carga tributária. De acordo com a Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan), 44.8% de toda a produção é destinada ao pagamento de impostos. Para o presidente da Abit, a reforma poderá contribuir para desburocratizar o setor. “Além de simplificar tributos e gerar créditos instantâneos, a reforma precisa reequilibrar a carga tributária. Para isso as discussões no Congresso serão críticas e fundamentais”, destaca Pimentel.

O deputado Peninha é favorável à reforma. “Diminuindo a carga de impostos, os empresários se sentirão mais confiantes para investir e terão condições para competir no mercado  internacional”, completa.

O Coordenador do Fórum Parlamentar Catarinense participa, nesta quarta-feira (11), de um café da manhã da Frente Parlamentar Mista José de Alencar para Desenvolvimento da Indústria Têxtil e de Confecção do Brasil com empresários e representantes da atividade.