Deputado Peninha cobra retomada das obras na Usina de São Roque

Construção da Usina, localizada na Serra Catarinense, enfrenta dificuldades para liberação do financiamento

Construção da Usina, localizada na Serra Catarinense, enfrenta dificuldades para liberação do financiamento

A maior obra de infraestrutura do Estado de Santa Catarina encontra-se com as obras paralisadas há 5 anos. Em busca de solucionar o problema, o deputado Rogério Peninha (MDB/SC) realizou, nesta quinta-feira (25), uma videoconferência com a equipe técnica do BNDES, instituição que vai liberar parte do financiamento para que as obras possam ser retomadas.

“Junto com toda a bancada catarinense, estamos tentando fazer com que está obra seja finalmente concluída, afinal falta apenas 20% para o seu término. Em dinheiro, são 390 milhões de reais”, argumenta o parlamentar.

A Usina está em construção no Rio Canoas, entre Vargem e São José do Cerrito e também abrange Curitibanos, Brunópolis e Frei Rogério. Para que as obras sejam retomadas, é necessário o ajuste dos termos de renegociação da dívida com os bancos (BNDES e BRDE) e investidores. Já foram aplicados R$ 800 milhões no local.

“Seria um grande desperdício de dinheiro se a Usina não fosse concluída, sem contar que ela leva desenvolvimento para toda aquela região e para todo o Estado de Santa Catarina” argumentou Peninha com a equipe do BNDES.

Negociação com os bancos

BNDES e BRDE desembolsaram R$ 387 milhões do financiamento concedido e, agora, cobram judicialmente esta dívida. As partes negociam, há mais de um ano, o pagamento. Embora as condições estivessem praticamente acertadas, surgiram entraves não previstos.

A São Roque se propõe a pagar a dívida integralmente, pleiteia apenas novos prazos de carência para iniciar o pagamento, assim como a extensão do prazo de amortização e a adoção de juros adequados às condições atuais do mercado financeiro.

O deputado Peninha acredita que o impasse deverá ser solucionado em breve. “Eu senti uma boa vontade do BNDES para fazer com que esse acordo aconteça e que o recurso que falte seja liberado. Acredito que em pouco tempo será resolvido”.

A Usina

Com capacidade de geração de 141 MW, é o único empreendimento de geração hidrelétrica de porte em construção no País. Quando estiver em operação, vai gerar royalties de cerca de R$ 4 milhões ao ano para Santa Catarina e para os municípios de abrangência.

Dos R$ 390 milhões restantes, cerca R$ 250 milhões serão gastos na própria região  com a compra de terras, contratação de serviços locais: vigilância, fornecimento de refeições, serviços de transporte, aluguel de equipamentos, obras de infraestrutura na região do reservatório, fornecimento de combustíveis, serviços de oficinas. Além disso, serão gerados 800 empregos diretos na construção.