Emoções marcam despedida do deputado Aldo Schneider

As homenagens ao presidente da Alesc foram realizadas na cidade de  Ibirama

As homenagens ao presidente da Alesc foram realizadas na cidade de Ibirama

Uma união singular entre autoridades, políticos, parlamentares, familiares e comunidades do Vale do Itajaí marcou as últimas homenagens ao deputado Aldo Schneider (MDB), na cidade de Ibirama. Desde o início do velório, a partir das 23h de domingo, até a salva de tiros, o registro do consenso em torno de um líder político agregador, com a marca da simplicidade, ações objetivas e muito trabalho pela população da região.

O clima era multipartidário, mas essencialmente familiar. As principais lideranças do Alto Vale se cumprimentavam com sentimento de profundo pesar como se tivessem perdido um ente querido. Cenas de emoção se registraram durante as 13 horas em que o corpo permaneceu na Casa Paroquial, especialmente quando da exibição de um documentário sobre a trajetória do parlamentar e os depoimentos de lideranças sobre seu perfil de um político generoso, sereno e batalhador.

Aldo Schneider desfrutava de uma condição rara em termos de representação parlamentar. Ele se elegeu, foi reconduzido e iria conquistar o terceiro mandato, se quizesse, com os votos majoritários de uma única região. Prova do reconhecimento do eleitorado do Alto Vale pelo que realizou durante os anos de dedicação à vida pública.

No momento em que a classe política brasileira sofre um profundo desgaste, por corrupção, fisiologismo, falta de ética e outros vícios, a unanimidade em torno de Aldo Schneider constitui um magnífico exemplo de que há esperanças de renovação e de qualificação.

A sucessão

Deputados do MDB e do PSDB deverão levantar nos próximos dias uma questão jurídica delicada sobre a sucessão na Mesa Diretora da Assembleia Legislativa. Há a questão legal. Segundo os especialistas, o secretário terá de declarar vago o cargo de presidente. O atual vice-presidente, deputado Silvio Dreveck (PP), portanto, estaria exercendo a presidência interinamente.

O acordo

Outro problema que deverá ser avaliado: o acordo para rodízio na presidência da Assembleia Legislativa era entre o PP e o MDB ou entre Silvio Dreveck e Aldo Schneider. O líder do governo, Valdir Cobalchini (MDB), invoca outros testemunhos para garantir o acordo entre os partidos. E defende que, neste caso, o MDB tem o direito de indicar o novo presidente para concluir o mandato de Aldo Schneider. 


**Informações Diário Catarinense, via coluna Moacir Pereira.